Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cenas de um casamento #5

por Mia, em 25.03.19

E os convidados? Era uma coisa pequenita, só familia directa e os amigos mais chegados, 100 pessoas no máximo. E de repente temos uma lista de 120 pessoas, que inclui pessoas que odeio e exclui outras de quem gosto bastante porque excedem o budget. Mas se odeias porque convidas? Poupem-me. A sério. Como se fosse viável não convidar uma prima e convidar a irmã. Ou excluir os amigos de faculdade do noivo. Ou como se cortar da lista a minha tia não fosse dar um desgosto ao avô. Tão dificil gerir as necessidades dos outros. Mas o dia é vosso! Uma ova.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:49

Não quero ter mais filhos

por Mia, em 22.03.19
Agora.
 
Tinha a coisa tão bem planeadinha: de 2 em 2 anos por mais uma criaturinha no mundo até ter uns 3 ou 4 e formar assim uma bela família.
 
Mas depois fui mãe.
 
Não sei se por ter acalmado o relógio biológico, por ter ainda uma criança tão nova para cuidar, por não conseguir entender a logística que dois bebés de idades diferentes em simultâneo envolvem. O meu homem diz que sim, que tínhamos já o segundo. Mas eu acho que não. E como nestas coisas um bocadinho de incerteza já é muita incerteza, vamos aguardar.
 
Que venham os dois anos do monstrinho, o casamento, o novo ano, e a vontade de voltar a procriar. Tenho saudades do bebé pequenino que o meu filho foi, mas confesso que não tenho saudades da ideia de um bebé. Não que o meu tenha sido dificil - de todo - mas talvez até por sentir que ao ter outro estou a "roubar" algo a este, não sei.
 
Sei que quero ter mais filhos, sinto já a pressão social das pessoas que vão murmurando para o pequeno "tens que pedir um irmão aos teus pais", mas não sinto que seja o momento. E não há nada de errado em mudar de ideias. Não deixo, contudo, de achar piada a estes twists da vida, a como num momento temos tantas certezas e no momento a seguir começamos até a considerar hipóteses nunca antes concebidas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cenas de um casamento #4

por Mia, em 21.03.19

A saga da entrega dos convites. Ou o inferno, já que é praticamente a mesma coisa. Soubésseis vós quantas vezes já me arrependi de não ter feito um convite online... Falta pouco mais de 5 meses, e tenho 13 de 60 convites por entregar. Parece-me um bom balanço. Juro que até ao final do mês termino. Acho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46

... mas o tema do 2º aniversário do monstrinho já está escolhido. Deslarguem-me, sou pessoa de planear com antecedência. E por isso este ano teremos festa com....

 

 

"Mimi" e "Piqui"!

2019-03-20_12h50_09.png

 

Um dia falo-vos da paixão louca que ele tem por estes dois...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Monstrinho tem 19 meses e energia para dar e vender. Não anda - corre. É o menino mais novo da sala dele, e como tal o mais bebé. É irrequieto e tem dificuldade em manter-se numa só actividade por muito tempo. Apesar disso, entretém-se bem sozinho, consegue concentrar-se no que está a fazer - se quiser - e é uma criança com regras.

 

 

Em reunião com a educadora, ouvi algumas queixas. Que acorda e vai saltar para cima dos outros meninos até os acordar. Que não consegue participar nas actividades de grande grupo porque se levanta e vai à vida dele. Que os outros meninos vão atrás (sou só eu que leio aqui "líder nato"???). Que perturba a turma. Que "não lhe vamos por rótulos, mas sugeria um acompanhamento por parte da psicóloga do colégio".

 

 

Ok. Ouvi, ponderei, achei que não tínhamos nada a perder. Se acho que ele precisa? Sinceramente, não. Acho que é só uma criança a ser criança. E as crianças não ficam quietas, querem correr, saltar, brincar. Acho normal um miúdo não ser um boneco e ter vontades próprias. É claro que nenhum pai minimamente consciente gosta que o seu filho perturbe a aprendizagem das outras crianças, mas não creio que seja o fim do mundo, e acho até que isto tem muito a ver com o facto de ele ser o mais novinho e não ter alcançado ainda as mesmas capacidades de concentração dos outros meninos. Mas o que temos a perder? Debatemos o assunto em casa e concluímos que se o colégio oferece esse serviço, e se pudermos de alguma forma ajudar a criança, vamos a isso - ainda que pouco convictos.

 

 

Mas quando partilhei esta questão com algumas pessoas próximas, obtive toda uma variedade de indignações. Que agora as crianças são todas hiperactivas. Que me iam por o miúdo a tomar medicação. Que as educadoras eram parvas e não sabiam cuidar dele em condições e a culpa era delas. Que os pais de hoje em dia levam os filhos ao psicólogo por tudo e por nada. Toda uma histeria. Eu é que sou a mãe, eu é que tinha o direito de ficar ofendida por sugerirem que a minha cria poderia ter uma qualquer falha, e acabei por ter que ser eu a racionalizar e acalmar os ânimos.

 

 

E vocês, o que fariam? Ficariam indignados, ou considerariam a hipótese de consultar um profissional?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olha para mim, enche a boca e diz:

'inha mamã!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estou viva

por Mia, em 20.03.19

Obrigada ao sapo pelo destaque (e já agora pelo anterior que não me lembro quando foi mas vi). Obrigada a vocês que têm passado por aqui, a todos os que deixaram comentários que ainda não aprovei nem respondi, e tudo e tudo. Estamos vivos e com saúdinha, mas com pouco tempo. Até já!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:46

18 meses depois: o bebé

por Mia, em 04.02.19

1 ano e meio, para os não-pais e/ou pessoas como eu, que depois dos 12 meses têm uma incapacidade tremenda em contabilizar a idade de um pequeno ser em meses.
Pequeno monstrinho brinda-nos diariamente com novas aprendizagens e é delicioso de ver. A seu tempo, vai aprendendo novas palavras: mamã/má, papá/pá, pápa, cáu (cão), gacum (gato), pato, oá (olá), pé, cacaco (casaco), páu (pão), ná/nein (não), ti (sim).

O uso que faz da palavra "não" é hilariante:

- monstrinho, queres água?
-, diz, enquanto estica os bracinhos para o copo e abre a boca.

Chama por nós, numa vozinha esganiçada que me desmancha sempre. Aponta para o que quer. Se é pão, vai para junto da caixa do pão. Se é água vai para o sítio onde guardamos as garrafas. Se quer uma bolacha fica aos saltinhos ao pé do pote a apontar.
A pedido, faz o som do cão, do gato, do pato, do leão. Aponta onde ficam os olhos, o nariz, a cabeça, a língua, o 'bigo', a barriga, o pé, etc. Começa a saber distinguir o que pertence a quem: o telemóvel "é papá" (é do papá) e a meia "é pé" (é do pé), etc. etc.

 

Teve toneladas de brinquedos no natal, mas o seu coração pertence a um Mickey de peluche que uma prima lhe ofereceu nos meus anos e vai com ele a todo o lado. A pedido, dá abracinho ao mickey, faz miminhos, e aponta os olhos, o nariz, a boca, etc.


Brinca cada vez mais. No natal teve loucinha e agora "faz" a sua sopa, e depois enfia-nos a colherzita pela goela abaixo. Tem uma paixão assolapada por vassouras, que nós incentivamos na esperança que um dia possamos prescindir da empregada.


Dá os abraços mais fofos, faz miminho, dá beijinho a pedido e brinda-nos com gargalhadas tão genuínas que conquistam toda a gente. Sorri para o mundo com aquela inocência de quem nunca foi magoado, e o mundo sorri-lhe de volta - quem resiste aquele sorriso malandro e desdentado? E por falar em desdentado, dez dentolas já cá cantam, a custo e com muitas noites mal dormidas, numa fase que pareceu interminável mas já passou.

Continua a estar muito bem sozinho e a interagir cada vez mais com os outros. Está super fã do baby shark, cuja coreografia faz de forma desajeitada e trapalhona. Come sozinho. Dorme sozinho. Anda bem, tenta correr, e se cai volta a levantar-se e segue caminho. Não tem medo de nada, o meu menino corajoso. Tanto se chega ao gato como à cadela, que do alto dos seus 25kg é de uma meiguice extrema para com ele.

É um bebé de sonho, não teria saído melhor se fosse encomendado. Temos tanta sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma espécie de intervenção

por Mia, em 31.01.19

Desde que me lembro de existir, que sempre foi "aceitável" que as pessoas presentes na minha vida comentassem o meu corpo.

 

 

Até à adolescência era normal ouvir críticas por ser magra. Com o início da puberdade, comentários às minhas novas formas eram o pão nosso de cada dia, de tal forma que, à minha entrada na universidade, com 1,63m e 50kg, achava que era gordíssima e tinha toda uma panóplia de complexos. No início da minha vida adulta tive uma depressão e um esgotamento e vi na comida um refúgio, que me custou uns 20kg a mais. Sim, vinte. Nessa altura, comentários sobre o meu corpo eram um fartote. Não importa o que estás a passar, se está a ser complicado, se te vão magoar. Toda a gente tem uma opinião sobre o teu aspecto, e não se coíbem de ta dar.

 

 

Por outro lado, não raras vezes, ao tentar comer melhor fui brindada com o clássico "tens a mania das dietas". Também a prática de exercício físico nunca foi convenientemente incentivada durante o meu crescimento, e ainda hoje quando comento coisas como: "levantei-me às 6h para ir ao ginásio antes de ir trabalhar", levo com críticas (não tens mais nada para fazer? credo!). No ano em que decidi tomar as rédeas do meu corpo e perdi 15kg, foi como se tivesse aberto a caixa de pandora. De repente, até pessoas com quem não falava assim tanto vinham ter comigo para saber o que fiz e me informar de quão mal eu estava antes. Adorável.

 

 

Olhando para trás com olhos de mulher adulta, consigo hoje perceber a confusão que isto cria na mente impressionável de uma criança/adolescente, como não? 

 

 

Arrisco dizer que todas as mulheres - ou a esmagadora maioria - em algum momento já se sentiram descontentes com o seu aspecto físico como resultado de um comentário externo. Todas nós já o sofremos na pele. Então porque é que continuamos a perpetuar esta cultura em que comentários ao nosso corpo são normais? Porque é que são tantas vezes os próprios pais a referir-se aos seus filhos como tão bonitos, ou pior, os MAIS bonitos, como se isso fosse controlável (somos como nascemos, lamento), como se fosse uma competição, como se isso fosse importante, como se isso de alguma forma definisse os nossos filhos. 

 

 

Não entendo como é que vivemos estas situações, e depois guiamos os nossos filhos no mesmo caminho. Temos obrigação de ser melhores. De aprender com os nossos erros e com os erros que cometeram connosco. De os preparar para a vida, sim, de fazer deles a melhor versão de si próprios, absolutamente. Mas também de relativizar e dar valor ao que realmente importa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vi finalmente a casa de papel. Andavamos a ver Suits, mas entretanto acabou a última temporada que havia no netflix, e ficamos órfãos de série. Decidimos pegar na casa de papel, e papamos as duas temporadas em pouco mais de uma semana - muito café para trabalhar no dia seguinte. Agora acabou... e sinto um vazio tão grande na minha vida!

sem nome.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:44

Mamã

por Mia, em 28.01.19

Enquanto cozinho, agarra-se-me às pernas:

 

- Mamã. Mamããããããããã. Mamá! Ma-má. Maaaamããããããã!  Mááááá´! Mamã! Mamã mamã mamã mamã!

...

...

...

 

Ainda estou na fase em que acho isto adorável, mas cheira-me que não tarda vai começar a ficar irritantezinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cenas de um casamento #3

por Mia, em 28.01.19

Só se casa uma vez na vida, certo?

 

Pelo menos assim com toda a festa, igreja, the whole shebang. E se é para fazer, que seja bem feito. E assim sendo, na minha igreja haverá um violinista e um pianista, a tocar músicas que fazem parte da nossa história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cenas de um casamento #2

por Mia, em 25.01.19

O drama da quinta.

 

Para começar, os olhares horrorizados das pessoas quando mencionávamos que queríamos casar daí por um ano e não tínhamos nada. Há quintas já com todos os fins de semana fechados até 2021, que loucura é essa?!

 

Depois: vamos falar sobre a parolice que são os espaços que se arrendam para casamentos? Meu. Deus. Ele é veludos, cadeirões, vidros, pérolas, tule por todo o lado. Castiçais maiores do que eu, luzes néon, vimos de tudo, sabeis lá. Nós que só queríamos um espaço amplo, com chão em madeira, mesas simples, cadeiras de madeira, muitos verdes e meia dúzia de velas.

 

2.png

 

Parecia missão impossível. Vimos quintas atrás de quintas, cada uma pior que a anterior. As que eram acessíveis eram parolas, as que eram bonitas levavam-nos um rim e meio pulmão. A cada um! Visitamos o showroom de uma event designer e a marca falou-nos ao coração. Era tudo o que queríamos e mais. A pessoa responsável era amorosa, o conceito era maravilhoso, os parceiros pareciam perfeitos. Tudo ótimo até chegar o primeiro orçamento. Bolo de noiva? 500€. Aluguer de sofás para exterior? 800€. E a lista continuava por aí adiante, somando a módica quantia de 10.000€ só de "extras", sem contar com quinta, catering, e outros pormenores igualmente importantes. Um exagero, pusemos de parte. Em compensação aproveitamos o contacto de um designer parceiro, que nos fez os convites mais rustico-chiq-fofos de todo o sempre.

 

Já com pouca esperança numa opção pouco azeiteira, contactamos uma outra event planner que tínhamos conhecido na expo-noivos. Agendamos a visita a duas quintas com quem tinham parceria, mas a primeira roubou-nos logo o coração. Espaço rústico muito simples, decoração à nossa medida, espaço interior e exterior agradável e um pacote de preços que não só estava dentro do nosso orçamento como incluía mais do que esperávamos. Problema: a data que queríamos (primeiro fim de semana de outubro) já estava ocupada. Solução: o último fim de semana de Agosto estava livre. E foi assim que antecipamos o casamento um mês, e ficamos com a quinta resolvida.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Devia ser caso de polícia os miúdos que todos os dias são os últimos a sair do jardim de infância".

https://ionline.sapo.pt/637751

 

Se há coisa que me mexe com o sistema nervoso, são pessoas que sabem como viver a vida dos outros. Já a revirar os olhos, entro no artigo. Dou de caras logo com outra pérola: "Costumo dizer que devia ser proibido os jardins de infância estarem abertos depois das cinco."

 

Eu não sei onde é que este senhor trabalha, mas se houver lá um lugarzinho para mim, mando já o meu cv. Adoro este tipo de afirmações fundamentalistas. Adoro. Tanto como espetar garfos nos olhos. Ou comer baratas. Ou ser acordada com água fria pela cabeça abaixo. Ou… vocês percebem a ideia.

 

Vamos então analisar a situação. Uma pessoa - eu, e provavelmente vocês - tem que trabalhar 8h por dia, das 9h as 18h. Faço parte daquelas privilegiadas que consegue demorar 10 minutos do trabalho à creche, e por isso apanho o meu filho às 18h15, o mais tardar. E invariavelmente estão poucas crianças lá a essa hora. Já chegou a estar só ele e mais uma menina. Se gosto? Pois com certeza que não. Se podia evitar? Dificilmente.

 

Trabalhando 8h, a única alternativa seria fazer o horário das 8h às 17h, no entanto não só isso exigiria uma autorização da entidade patronal que provavelmente não conseguiria, como implicaria deixar o miúdo na creche às 7h45 da manhã, ou seja, dava-lhe mais uma hora comigo ao fim do dia, mas tirava-lhe uma hora de sono. Para não falar que, entrando a essa hora, passaria mais tempo sem comer de manhã, teria que se deitar mais cedo à noite (acabando por cortar na mesma a tal hora ao tempo em família), e provavelmente andaríamos todos mais cansados. Valeria a pena? A meu ver não. Vale a pena chamarem a polícia porque vou buscar o meu filho às 18h15? Eh pá ganhem juízo.

 

O colégio do meu filho fecha às 19h. Claro que é tarde. Claro que o ideal era os putos saírem às 16h. Ou 17h. Mas é caso de polícia? Não me lixem. Já agora, se as creches fechassem às 17h, como é que uma pessoa, mesmo que saísse às 17h, conseguia estar lá a tempo?

 

Mas Mia, achas bem que o teu filho passe tanto tempo na creche? Não. Obvio que não. Tanto não acho que mudei para um emprego com remuneração (bem) mais baixa para poder ter mais uma hora diária com ele. Mas tenho alternativa a trabalhar 8h por dia? Não tenho. Como não tem o comum mortal. Algumas pessoas podem partilhar as tarefas de ir levar e buscar os miúdos com outros membros da família (pai, avós, tios). Não é o meu caso. Chamem a CPCJ já!

 

É tão fácil olhar para os outros pais do alto da sua vida privilegiada e mandar postas de pescada enquanto se aponta o dedo, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desnecessário. Absolutamente desnecessário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cenas de um casamento #1

por Mia, em 23.01.19

Ainda não tínhamos data, quinta, padre, fotógrafo… já eu andava preocupada com o vestido. Prioridades.

 

Sabia muito bem o que queria. Era este:

 

sem nome.png

 

Foi amor à primeira vista. Olhei, e tinha que ser este. A quem possa interessar, é da Pronovias, modelo Matiz. Marquei então um sábado chuvoso no início de Novembro. Juntei a minha mãe, cunhada, duas amigas e lá fomos em busca do vestido ideal. Ia com as expectativas rasteirinhas e a agenda cheia, que se é para dedicar o dia a isso pois que seja em grande.

 

Começamos, claro, na Pronovias. Tinha ligado mais de uma semana antes e pedido explicitamente pelo vestido que queria. Pois que sim, que o teriam lá à minha espera. E é claro que não tinham. Para ser sincera, toda a experiência deixou muito a desejar: desde ficar imenso tempo à espera, ao facto de não terem o vestido que eu tinha ido de propósito experimentar (sabe que eles às vezes não estão cá, disse-me a menina - como assim?! saem para dar uma volta?) até terem-nos encafuado às cinco num provador minúsculo para o efeito. Na minha cabeça, a prova de vestidos implicaria um grande provador, flutes de champanhe, e as acompanhantes cá fora, ao estilo say yes to the dress. Não aconteceu.

 

A funcionária também não era propriamente um doce. Mas era um dia especial, e uma pessoa releva.

 

O primeiro vestido arrancou lágrimas a algumas das pessoas presentes. A sensação de me ver vestida de noiva foi estranha, mas surpreendentemente agradável. Experimentei mais dois ou três vestidos, nenhum me falou ao coração. A ajudar, o facto de os vestidos serem pequenos - algo transversal a todas as lojas onde fui, excepto a última. Que loucura é essa? Não sendo pessoa magra, habitualmente enfio o corpinho num 38 ou tamanho M. Pois em dezenas de vestidos, se meia dúzia apertavam já era muito. Ridículo, pessoas, ridículo.



Ao vir embora, saio do provador onde me tinham enfiado com as meninas, e dou de caras com uma jovem a experimentar um vestido cá fora em frente ao espelho, e comento: aquele também é bonito. Não era o tipo de vestido que compraria - ou assim pensava naquele momento - mas era bonito, e eu estava apenas a comentar. Ao que a menina da loja me diz de imediato: é, mas não é para toda a gente. Não é qualquer corpo que fica bem naquele vestido. Ok. Entendi a mensagem. E risquei da minha lista. Bitch.

 

Adiante. Passamos à segunda loja. Mais uma vez todas a monte numa salinha minúscula, uma funcionária com pressa para almoçar e vestidos enfiados uns atrás dos outros. Gostei de alguns, não adorei nenhum, pausamos para ir almoçar.

 

No fim de almoço seguimos viagem, desta feita na única loja que correspondeu às minhas expectativas. Um provador só para mim, elas todas cá fora à espera da saída triunfal, chocolates, e uma menina simpática que não só foi incansável e me trouxe tudo o que eu pedi como ainda sugeriu o que achava que me ficava bem. Mais uma vez gostei de alguns, o meu coração chegou até a palpitar por dois, mas não tinha a certeza de nenhum.

 

Viemos embora com um ligeiro sentimento de frustração. Tínhamos ainda mais uma loja para ver, mas já não tinha expectativas de encontrar 'O' vestido. A última loja era de bairro, já mais antiga e com cheiro meio estranho. O meu preconceito disse-me logo que não estava ali a fazer nada... e não podia estar mais enganada. Talvez fosse cansaço, talvez estivesse relacionado com o facto de os vestidos efectivamente me servirem e por isso assentarem melhor no corpo. Facto é que gostei de tudo o que experimentei. E depois experimentei aquele. Aquele que era tudo o que eu disse que não queria num vestido. Experimentei, gostei. Obtive consenso do meu comité. Dei voltas e voltas. Ensaiei a subida ao altar. Troquei para outro, e voltei ao mesmo. E comprei.

 

Não sei se haveria algo que fosse mais a minha cara, não sei se foi o que me ficou melhor, não sei se foi a melhor escolha. Algumas pessoas dirão que sim, outras que não. Sei que é lindo e que foi o vestido que me fez sentido. E pronto. Foi assim que, no dia 2 de Novembro, sem sequer ter data para o casório, passei a ter vestido de noiva.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por favor digam-me que sim.

 

Quando levo e vou buscar o monstrinho ao colégio, tenho por hábito ficar por lá um pouco. De manhã visto-lhe a bata, digo que o adoro, desejo um bom dia e espero que ele me acene e vá brincar. Dou-lhe tempo para se despedir ao seu ritmo. Ao final do dia dou sempre dois dedos de conversa com a educadora/auxiliar de serviço, deixo que ele me mostre os brinquedos favoritos do dia, meto-me com os outros miúdos. As meninas vêm sempre ver-me as roupas, a manicure, os acessórios. Os meninos perguntam-me o nome, mostram-me as suas habilidades. Isto faz com que acabe por saber o nome de praticamente todas as crianças, não só da sala do meu filho como das outras duas.

 

Há dias, ao final do dia, despediamo-nos dos meninos que lá estavam:
- Adeus Matilde! Até amanhã Martim! Porta-te bem Aninha!

 

Passo por uma mãe que vestia o casaco à filha, aceno-lhe e digo: xau Joaninha, até amanhã!

 

Ao que a mãe me responde, com ar encabulado:
- Eu não sei o nome de ninguém….

- É normal, eles são tantos - digo, enquanto penso: e eu sou melhor do que tu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Varicela

por Mia, em 22.01.19

Adoro, super recomendo. 

#not.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

Ando zangada

por Mia, em 26.12.18

Tenho andado sem tempo para o blog, mas cá andava, depositando pensamentos mais ou menos profundos em post-its electrónicos que um dia passaria para aqui. Depois um belo dia fui ver e tinham-se sumido todos. Fiquei piursa, raisparta a tecnologia, não quis escrever mais, nunca mais, numa birra de criança a quem negaram o brinquedo que tanto queria.


Estou zangada porque o natal não é o que era, a família anda toda de candeias às avessas, a magia sumiu-se, e eu perco-me no meio das confusões, num emaranhado de dias estranhos e noites povoadas de sonhos sem sentido - ou com mais sentido do que gostaria de admitir, e não digam a ninguém mas se acabam as putas das festas nem acredito, só quero dias 'normais' de volta.


Ando triste e não sei porquê, numa espécie de TPM que dura há uns bons quinze dias e me faz esquecer que ainda ontem estava tão contente com a minha vida, o novo trabalho, o casamento que aí vem, o meu filho - hei de vos contar como anda este monstrinho que é adorável mas já começa a ter personalidade, e raios me partam se ele não tem o feitiozinho da mãe, ri-se o karma.


E falando em TPM, na última semana fiz dois testes de gravidez à conta de um atraso que não foi atraso nenhum mas sim uma ausência total, e um feeling de que algo de errado se passa comigo. Não consigo afastar esta ideia, é o cansaço, má disposição, as alterações hormonais, os ouvidos que tapam, a cabeça que doi, as tonturas - contei-vos do dia em que desmaiei? - as mãos que tremem, os dentes que doem, a garganta, as amígdalas, os olhos, e sei lá o que mais, e não, não estou grávida, e sim, tenho uma bateria de consultas agendadas e uma preocupação sem fim e aquele sentimento manhoso que me assombra e me fez ter dois ataques de ansiedade nos últimos dias, e pensar constantemente que é agora, que se calhar não vale a pena planear o amanhã porque ele pode não existir.


E o cansaço? O cansaço de noites mal dormidas, de uma criança que deixou de adormecer sozinha e comer em condições porque ora são dentes (cinco ao mesmo tempo, senhores, cinco!), ora é a puta da febre aftosa ou pés mãos boca, ou lá o que é que me deixou o miúdo num sofrimento sem fim - um grande obrigada aquela mãe que levou a criança contagiosa para o colégio porque era dia da fotografia, e Deus nos livre de faltar ao dia da fotografia, que se foda o resto do mundo.


Para não falar no casamento, oh esse dia tão bonito que devia ser sobre nós e celebrar o amor, mas vai-se a ver e é só mais uma merda de um malabarismo de egos, já não aguento a sogra a ligar dia sim dia sim porque TEMOS que dar o trabalho de fotógrafo ao cunhado mesmo não querendo, a tia que não quer sentar ao lado do tio, o pai que não se dá com a mãe, as opiniões que não pedimos de todos sobre tudo, e eu que tenho vontade é de mandar tudo pro caralho, agarrar no homem e no puto e ir casar à Cochinchina e ninguém mete o nariz e pronto, fim de conversa.


Estou cansada, triste, preocupada, zangada com o mundo. E ainda por cima é 26 de Dezembro e estou a trabalhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ti! Ti! Ti!

por Mia, em 12.11.18

Pequeno monstrinho não fala. Diz meia dúzia de palavras, mas é basicamente isso. Mas desengane-se quem pensa que não se faz entender. Agora ganhou esta mania: quando quer algo aponta e diz: "ti! ti! ti!". Ninguém sabe o que significa ou de onde veio esta expressão. Perguntei no colégio e nenhuma das educadoras ou auxiliares me soube explicar, mas a cara que ele faz, o bracinho esticado e até o próprio tom são das coisas mais cómicas que já ouvi.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Oh, não gostaste do que escrevi?