Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É uma coisa nova em mim, e começou na semana passada. Foi uma semana louca de trabalho, misturado com uma formação super complexa que ando a fazer, um miúdo constipado, e - a cereja no topo do bolo - a festa de aniversário do monstinho, nada de especial, um modesto lanchinho cá em casa para avós, tios e primos e meia dúzia de amigos, 70 pessoas coisa pouca (nem me digam nada).

 

Juntem a isto as temperaturas infernais dos últimos dias, e é a receita para o desastre.

 

Começou na sexta-feira ao final do dia. A trabalhar de casa, andava a saltitar entre a cozinha e o escritório, num frenesim louco: corre processo - mete bolo no forno - valida dados - verifica se está pronto, aproveita e bate umas claras para a mousse - envia report do dia - desenforma o bolo e vai fazendo as gelatinas. Uma loucura. Ao final do dia, comecei a sentir-me estranha. De imediato o pensamento pior assolou-me: vou ter um ataque qualquer e morrer aqui, e não vejo sequer o 1º aniversário do meu filho. Palpitações. Suores frios. Tonturas. Acho que tive um ataque de pânico.

 

Pedi ajuda e estive largos minutos debaixo do ar condicionado a tentar respirar lentamente. Não conseguia esvaziar o cérebro. Não conseguia respirar. Cenários horríveis passavam-me pela cabeça. Forcei-me a deitar um pouco, passei pelas brasas. Tentei relativizar a questão da festa: se não der, não deu. Em ultimo caso compra-se um bolo qualquer. Põe-se a vela num queque. Qualquer merda.

 

Acordei um pouco melhor, para piorar de seguida. Algo não estava bem, não sei apontar uma dor física, mas de alguma forma estava claramente incapacitada. Arrastei-me pela casa, tentando fazer o máximo possível. Ao deitar o miúdo, choque de realidade: faz um ano que passei a ultima noite com ele na barriga. Tive imediatamente um pequeno ataque de choro, que de alguma forma me libertou. Acabei por conseguir terminar nessa noite os doces em falta e nem réstia do mal-estar que me tinha assolado momentos antes.

 

No dia seguinte, a brincadeira repete-se. Festa marcada para as 16h, eram 10h da manhã quando me comecei a sentir novamente estranha. Tinha a certeza que era sistema nervoso, que havia de ter a tensão nos píncaros, e não sosseguei até ir à farmácia medir. Tudo normal. Venderam-me um calmante natural e siga para casa. Mas eu não estava mais calma. Não era uma coisa racional, porque vejamos: se é um lanche com a nossa familia e amigos mais chegados, porque haveria de estar nervosa? Não sei. Não achei que estivesse. Mas o meu corpo aparentemente estava. Dormi meia hora. Acordei, mas ainda não estava bem.

 

Pedi ajuda. E que bom que é ter a quem pedir essa ajuda. Em pouco tempo a minha casa foi invadida e de repente já tinha uma pessoa em cada canto, fosse a preparar doces, a encher balões ou a orientar as coisas. Fui tomar um banho, tentei relaxar um pouco, e lentamente voltei ao normal. Muito lentamente mesmo, só perto das 21h consegui por qualquer coisa no estômago porque até lá as náuseas não me deixavam.

 

Achei que não ia voltar a ter este tipo de sentimento, mas domingo cá estava ele de volta. Não sei se relacionado com a casa estar em pantanas - lido muito mal com a desorganização - se foi do calor, se da semana que se avizinhava.

 

Ontem acordei bem, o dia estava mais fresco, estava tudo tranquilo, mas depois isto atirou-me novamente para aquele estado estranho que agora me acompanha todos os dias: peito pesado, náuseas, mal-estar que não consigo explicar bem. Não sei se isto é um ataque de ansiedade de verdade, se é outra coisa qualquer. Mas é algo que nunca tive e que apreciava não voltar a ter.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12


6 comentários

Imagem de perfil

De Psicogata a 07.08.2018 às 16:13

Pelos sintomas foi um ataque de ansiedade e se persistirem tens mesmo de ir ao médico.
Tomei conhecimento deste mundo este ano e realmente não é algo que queira repetir.
Não existem fórmulas mágicas, é mesmo viver um dia de cada vez com a maior calma que conseguirmos e tentar não nos deixar levar pelos maus pensamentos.
As melhoras. Acredita vai correr tudo bem.
Beijinho
Imagem de perfil

De Mia a 08.08.2018 às 10:45

É horrivel, uma incapacidade de reagir sem ser capaz de apontar uma dor específica... ontem tinha consulta, não por causa disto mas aproveitei e falei. Confirma-se todo um quadro de ansiedade: tonturas, enjoos, palpitações, aperto no peito, dores de cabeça, pensamentos fatalistas, até um eczema de aparecimento súbito. Saí de lá com uns comprimidos naturais supostamente bons para relaxar, e a indicação de voltar daqui a uns tempos.
Imagem de perfil

De Psicogata a 08.08.2018 às 10:57

Vais sentir-te melhor com a medicação, tenho a certeza.
Espero que tenha sido a conjugação de vários fatores e que não se volte a repetir, no meu caso, felizmente não se repetiu, ninguém merece viver com ansiedade crónica, é terrível.
Dias mais calmos virão.
Beijinho
Imagem de perfil

De Mia a 08.08.2018 às 13:11

Espero mesmo que tenha ficado por aqui. O médico falou-me de casos em que a coisa evolui de tal forma que se tem ataques de ansiedade sem motivo aparente. Espero que não aconteça comigo!**
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 08.08.2018 às 14:31

o gaiato já tem um ano?? um ano? cruzes que o tempo passa tão depressa! Parabéns aos três.
Espero que não se volte a repetir mas quando te sentires assim, começa a contar de 100 para 1. Ou pensa quais são os números primos entre 1 e 50. Ou os números impares. Entre estas opções, escolhe a que for mais dificil para ti (recitar Os Lusiadas tambem pode ser opção). Ataques de ansiedade são provocados apenas e só pelo cerebro. Se o conseguires obrigar a pensar numa contagem anormal (ou seja, que não seja contares 1 2 3 4 e por ai adiante), pode ajudar bastante. felizmente eu não tenho ataques de ansiedade mas uma amiga minha tem com bastante frequencia e ela usa esse truque
Imagem de perfil

De Mia a 08.08.2018 às 15:05


Um ano inteirinho, dá para acreditar?! Obrigada! :)


Li na net isso, e obriguei-me a contar de 100 para trás, debaixo do ar condicionado e enquanto tentava controlar a respiração. Foi assim que adormeci, no primeiro dia, porque antes não estava a conseguir desligar o cérebro. Obrigada pelas dicas**

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Oh, não gostaste do que escrevi?