Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tudo começou quando descolei o meu aparelho de contenção. Para quem não sabe, trata-se de um pequeno arame que é colocado por detrás dos dentes de baixo, para os manter no sítio após tratamento ortodôntico. Ora, dizia eu, descolei a contenção e andava com um ferro solto na boca há coisa de três semanas. Desagradável, mas não tanto que me incentivasse a ir ao dentista - tinha consulta em Janeiro e estava a ver se aguentava a coisa até lá.

 

Passo a explicar: ir ao dentista agora não é propriamente simples porque tenho que levar o miúdo comigo. Como iria aproveitar a consulta para fazer a limpeza semestral, poderia demorar algum tempo, e não é a coisa mais confortável ter um bebé a meu cargo nesse momento.

 

Entretanto, e porque as minhas gengivas já imploravam por piedade, acabei por agendar a consulta para um sábado - assim os meus homens poderiam ir comigo. Sábado chegou, e acordamos todos às 7h30 para estar na consulta às 9h. Amamentei o miúdo e enquanto o pai o punha a arrotar, comecei a abrir as persianas todas. Lá fora um dia de inverno horrível: chuva, frio, nevoeiro. Voltei para o quarto e nem queria acreditar nas palavras que me saíram da boca: eu vou sozinha à consulta, e vocês ficam aqui em casa.

 

Choque.

 

Nestes quatro meses, nunca tinha saído sem o meu filho. É claro que ele fica ao cuidado do pai quando estamos em casa e eu vou fazer qualquer coisa para outra divisão. Mas separados por mais do que alguns metros? Nunca tinha acontecido. O máximo foi aquela vez em que eu tive que ir à Primark e o deixei com o pai na Fnac, mais do que isso jamais. Mas no sábado tinha que ser. O meu medo, a ansiedade que sentia por me separar dele, estavam a levar a melhor sobre a racionalidade. Que parvoíce teria sido tirar a criança de casa, num sábado de manhã tão cedo, com frio e chuva, e ainda por cima para o levar para ambiente hospitalar, sem necessidade nenhuma? Seria egoísmo, estaria a fazê-lo por mim, e por isso fui sozinha.

 

Não vou mentir, custou, mas se calhar não tanto como pensei que custaria. No espaço de 2h em que estive fora consegui enviar apenas duas sms a perguntar se estava tudo bem, e no fim da consulta ainda aproveitei para dar um saltinho às compras. Não sei se se nota, mas estou bastante orgulhosa de mim própria. Para alguns parecerá simples, sair e deixar o filho com o pai, grande coisa. Para mim foi um grande feito. Deixar aquilo que tenho de mais precioso com outra pessoa, ainda que seja o pai dele, e ainda que confie totalmente nos seus cuidados, exigiu muita força mental da minha parte. E acho que o facto de ter colocado o bem estar dele à frente dos meus medos, fez de mim uma melhor mãe. Sinto que dei um primeiro passo muito importante, e um dia destes, quem sabe, até conseguirei voltar a ser uma pessoa e não "apenas" uma mãe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:01


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Oh, não gostaste do que escrevi?