Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O romance foi o que fodeu isto tudo. A vida era boa, eu estava feliz, os passarinhos cantavam e o sol brilhava. Ou assim parecia na minha cabeça.

 

Desde o primeiro mês após o parto que tomo a pílula de amamentação. "Dra, mas isto é um contraceptivo como outro qualquer?" "É sim, não se preocupe". E não me preocupei, pois está claro. Monstrinho deixou de mamar ia eu no início de uma caixa, e decidi levar até ao fim, evidentemente. E depois um dia tive uma coisa que não interessa falar num blogue assim em bom como este, mas vá, chamemos-lhe um inconveniente intestinal, daqueles que cortam o efeito da pílula, mas quem é que pensa nessas merdas?

 

Passam uns dias, sei lá, uma semana e uns trocos, e estou eu em casa tranquilamente a ver fotos quando sinto aquela dorzinha básica no útero. Ora, contextualizemos: há duas coisas que me levam a sentir esse tipo de dor - ou estou naquela altura do mês, ou estou grávida. Oh que diabo. É que, não sei se vocês sabem, mas a pílula de amamentação inibe a menstruação.

 

Tudo a suster a respiração desse lado? Daqui também.

 

Passo então a tarde toda com dores - de útero e de alma. Mas que raio, na volta é algum desarranjo aqui por todas as alterações hormonais, sei lá eu. Ao fim do dia, uma ou duas gotinhas de sangue. Não sei se estão todos familiarizados com o conceito de sangramento de implantação, mas se não estão, ide procurar. Vá, eu espero.

 

Todos a bordo?

Daqui também, com o bónus de, neste momento, já termos uma Mia em pânico a pensar que se calhar há mais um a bordo e isso não estava mesmo nos planos.

Conto ao homem e instalo o caos, evidentemente. Dias de pânico, drama, horror. Ele, que dias antes tinha proferido a frase "se não fosse um risco para a tua saúde eu gostava de ter outro filho já", descobriu que afinal se calhar não gostava assim tanto que fosse já já. Eu, que andava com saudades da barriga e de um bebé pequenino, descobri que se calhar não eram assim tantas saudades que não pudessem esperar dois anitos.

 

Faz um teste, repetia ele incessantemente, mesmo que lhe tenha explicado 2573 vezes que mesmo se estivesse grávida, era muito cedo para um teste dar positivo.

 

Daí a uns dias tinha consulta de rotina na ginecologista, pensamos então esperar até lá. Entretanto, dias de pânico, não sei se já disse. É que entre o parto e a amamentação, eu recuperei o poder sobre o meu corpo há cinco minutos, e já vem outro pequeno ditador tomar posse?? E vocês já pensaram bem na logística de ter duas crianças com um ano e pouco de diferença?! Compram-se dois trocadores? Dois carrinhos? E partilham quarto, ou nem por isso? Ai valha-me Deus o que fomos nós fazer.

 

Contei a uma amiga que só se ria e dizia: ai monstrinho que tu dás demasiado tempo livre aos teus pais. Muita piada.

 

Chegado o dia da consulta, claro, grávidas aos magotes na sala de espera. Começa-me a dar aquela nostalgia. Começo a pensar que se calhar nem é assim tão dramático.

Entro no consultório e começo a explicar a historinha  toda. A cada nova coisa que eu dizia, a Dra. fazia aquela cara de "estás tão fodida". Explicou-me que seria melhor fazer exame de sangue, porque a ecografia tão cedo poderia não ser conclusiva, mas teria de esperar até ao fim do dia pelos resultados.

 

Tudo bem. Mais uma picadela, mais uma voltinha, e vai a Mia para casa aguardar pela chamada com o resultado enquanto pensa que se calhar até não é assim tão mau ter mais um monstrinho agora.

 

Três da tarde o telefone toca:

- estou, Mia? Boas notícias. Não está grávida.

- que bom, obrigada.

 

E agora estou aqui, um bocado triste, porque sei lá, sou parva.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ao primeiro raio de sol, o homem sai-me de casa de mangueira em punho, tira os resguardos da mobília de jardim e limpa tudo para "começarmos a tomar o pequeno almoço lá fora". No dia seguinte estava a chover.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:21

O que se bebe com castanhas quando o vinho tinto está off limits?

castanhas.jpg

Bom São Martinho, para quem pode!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O homem regressa hoje ao trabalho, depois de na última semana ter gozado os dias de licença parental inicial que lhe restavam. Não é novo para mim estar sozinha em casa com o monstrinho: o pai já tinha regressado ao trabalho desde o início de Setembro e já estávamos habituados. Mas esta última semana foi maravilhosa. Não fizemos "nada de especial": passamos tempo em família. Com todo o resto do mundo a trabalhar, tiramos estes dias só para nós. Fomos às compras, almoçamos fora, jantamos fora, ficamos em casa. Passamos manhãs a preguiçar na cama e noites abraçadinhos no sofá a ver novela e séries. Dividimos as birras, os cocós e as arrumações. Visitamos família e recebemos amigos em casa. Cozinhamos juntos, conversamos, fizemos palhaçadas. Cantamos para o monstrinho, pegamos um com o outro e rimos muito. Ele desenvolveu uma adoração pelo pai, e o ar fascinado com que olha para ele é qualquer coisa de delicioso. Vivemos (quase) sem horários. Já aqui disse antes: preciso de ficar rica. Não tenho sonhos megalómanos nem quero viver uma vida louca. Queria "" ter todo o tempo do mundo para viver a minha família.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Choque.
Drama.
Horror.


Calma. Eu adoro os meus bichos, não me vou ver livre deles nem assá-los com batatinhas, sosseguem. Também sei que daqui por uns tempos isto já me passou.


Estou só cansada.


Cansada de ter a casa cheia de pêlo. De não poder por o ginásio do miudo no chão. De ter que arrumar sempre a espreguiçadeira, a almofada de amamentação, a manta, e tudo o que poderia simplesmente ficar pousado no sofá sob pena de virar costas e ter um gato a dormir lá em cima. De nada poder cair ao chão/no sofá/em qualquer sítio sem ficar logo revestido de três milhões de pêlos. De ter constantemente dois gatos a correr pela casa feitos tolos e me acordarem o miúdo. De ter uma gata maluca que se atira - literalmente - para o cesto do carrinho dele. De ter um gato carente que me faz birras e chora se for preciso durante horas até que eu lhe dê atenção - quem diz que os gatos são independentes devia levar com um nas trombas. De ter areia malcheirosa ainda que seja mudada todos os dias, pedacinhos de areia por todo o lado e ainda vómito ocasional.


Estou exausta de ter dois animais que exigem cuidado e atenção constantes, em cima do cansaço que é ter um bebé de dois meses em casa. Provavelmente isto acabará por passar, se calhar quando gatos e bebé puderem conviver alegremente a coisa será mais simples, mas hoje afirmo com toda a certeza: depois destes, não quero mais animais em casa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

minhoca.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O aborto, esse bicho papão

por Mia, em 15.06.16

Sei que este assunto já enjoa aqui pelo blog.
Nunca gostei muito das pessoas que se definem por aquilo que lhes acontece: eu tive um aborto mas sou mais do que a pessoa que perdeu um bebé. Eu continuo a ser a Mia, o aborto foi algo que me aconteceu e que, inevitavelmente, marcou a minha vida, mas eu sou mais do que uma má experiência. Feita esta pequena introdução, sinto a necessidade de, por mais um bocadinho, continuar a falar sobre o assunto. Prometo que não me demoro.

Desde o início da gravidez (ou até antes), somos formatadas para ter cautela. Não falar muito do assunto. Não contar a ninguém. Toda a grávida tem aquela meta das 12 semanas, altura em que já passou o pior, já "podemos" começar a contar (baixinho!) às pessoas mais próximas, já podemos respirar de alívio... mas será mesmo assim? Quantas mães acham, realmente, que vai acontecer alguma coisa má nessas primeiras 12 semanas? Toda a gente sabe que essas coisas só acontecem aos outros. Quantos casos de aborto conhecemos, na realidade? Há aquela amiga, aquela colega, a cunhada da prima... e pouco mais. Então, se pela nossa vida passam tantas grávidas, e apenas dois ou três casos de perda, não há de ser uma coisa normal, não há de nos acontecer a nós.


E depois acontece.


Não vou discorrer aqui sobre toda a misturada de sentimentos que uma mulher vive numa altura como esta, até porque não sei de todas as mulheres, sei de mim. Hoje vou falar de um pensamento específico, que me atormentou durante semanas: há qualquer coisa de errado comigo.

 

Despistadas todas as teorias sobre "onde é que eu errei" - em lado nenhum, era uma anomalia congénita, diz a vozinha sensata na minha cabeça - começam a soar os alarmes. Porque isto não é normal. Porque não acontece a mais ninguém. Porque para acontecer uma coisa destas, é porque algo está muito errado. Pode estar, claro que sim, não vou estar aqui com falinhas mansas.
O facto de sermos socialmente formatados para esconder um aborto, a meu ver, transforma-o num bicho estranho e assustador, cria uma aura de medo e pânico em torno de algo que, infelizmente, é normal.

 

Lia, há semanas, o testemunho de um pai que passou por uma situação semelhante, em que ele dizia qualquer coisa do género: quando perdes um familiar, um amigo, um cão, toda a gente sabe, as pessoas compadecem-se da tua situação, dão-te apoio e carinho. Quando perdes um bebé ninguém sabe, afinal, vais chorar publicamente a morte de uma pessoa que ainda não existia?
Este tabu, esta necessidade de esconder a situação, faz com que, aos olhos do mundo, ela nunca tivesse acontecido. Então, quando acontece connosco, sentimo-nos uma ave rara e, logicamente, algo só pode estar muito errado, porque "não é normal".


Esta ideia consumia-me. Andei semanas a martelar mentalmente no mesmo assunto: os médicos dizem que é comum, que acontece, que não é assim tão estranho... mas então porque é que não se ouve falar disso? Não sei se se nota, pelo que escrevo, que posso por vezes deixar-me absorver em demasia pelos meus pensamentos. E este andava em loop na minha cabeça. Um dia, resolvi fazer uma lista de pessoas que conhecia que tinham passado por um aborto. Contei 11. Onze pessoas das minhas relações já passaram pelo mesmo que eu, e dessas onze apenas duas não são, ainda, mães.

 

Se calhar não sou assim tão anormal.

Se calhar não é o fim do mundo.

Se calhar as coisas ainda podem correr bem.

 

Mas então, se é uma coisa assim tão comum, porque é que não se ouvem relatos daquelas pessoas famosas que nos entram pelos olhos todos os dias? Uma pesquisa de dois minutos deu-me uma lista de 50 celebridades que já tiveram um ou mais abortos. CINQUENTA!!

Assim de repente, contei 61 pessoas que já passaram por isto, e, de alguma forma isso trouxe-me conforto. Não me interpretem mal, não me consola saber que o mal que eu vivo já aconteceu a alguém, mas antes comprovar que, efectivamente, o aborto... acontece!

O aborto é uma coisa comum. Não acontece só aos outros. Sei que para algumas mulheres falar é bom, enquanto que outras se sentem melhor resguardando-se e guardando para si e para os seus. Mas noto que a sociedade nos condiciona a mostrar apenas o lado bonito da gravidez, e a esconder os "podres". E talvez, só talvez, falar mais sobre o assunto pudesse ser uma mudança positiva.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Deixar ir

por Mia, em 07.06.16

Se há coisa que acho aprendi nestes meus quase trinta anos foi a deixar ir as pessoas. Não quero mais gente tóxica na minha vida, nem me esforço por manter quem não quer ficar. Uma relação, qualquer que seja, não tem que ser penosa. Não quero pessoas que estão sem estar, pessoas que tenho que tratar "nas palminhas". "Amigos" que se chateiam com pintelhos e nem se dignam a avisar, obrigando uma pessoa a adivinhar o que raio lhes vai na mente. Aprendi que, não raras vezes, o problema é de quem se aborrece assim, dos seus complexos e infelicidades.

Querem ir? pois que vão. Querem voltar? Façam o favor. Só não me chateiem muito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passamos o dia a desinfestar a casa. Bichos desparasitados e trancados na varanda, tudo o que podia ir à máquina enfiado em sacos pretos para ser lavado a 40º, casa limpa, spray anti-pulga em todos os cantos, uma canseira. Não reclamou uma vez. Não se queixou do facto de eu ter trazido os animais para casa, sacanas que já o conquistaram e ele nem gostava de bichezas. Não insinuou que provavelmente foi esta minha mania de mexer em tudo o que é vadio, a causa da infestação. Fez o trabalho mais sujo, o mais pesado, e nem pestanejou.

Ao fim do dia fui ao pé dele e abracei-o, enquanto pensava na sorte que tenho por ele existir. Nesse exacto momento, ele diz-me ao ouvido: "ao menos temo-nos um ao outro".

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Agora tens que resolver este problema e partir para outra"

"Não tarda nada já tens outro"

"Que chatice isso ter ficado aí"

"É pena, mas pronto, bola para a frente"

"Foi só um percalço, ainda és tão novinha!"

"Quanto mais depressa resolveres isso melhor"

 

Mas será tão difícil de entender que "este problema", este "percalço", "isso", foi durante mais de dois meses o meu bebé? Que não foi um rebuçado que me caiu ao chão mas não faz mal porque a seguir compro outro e está o problema resolvido? Que ter estado dias com o meu filho morto na barriga não foi "uma chatice", mas sim a tortura mais excruciante pela qual já passei na minha vida?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mas a frase "vocês ainda são tão novos!" não me traz consolo. Quanto muito enraivece-me, pelo o facto de utilizarem a minha idade para tentar menosprezar a minha dor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tinha acabado de saber, e por isso aquela necessidade histérica de gritar ao mundo. Mas não se pode, diz que dá azar, que devemos ser contidos, que não podemos preocupar os outros com uma coisa que pode ainda correr tão mal, egoísmo nosso. Então escolhi postar no blog, escondida atrás do meu anonimato, porque eu não sou a Mia, a Mia é a pessoa que escreve aqui no blog, e quem me havia de reconhecer, não é? Oh que alegria, poder dizer aquelas palavrinhas "em voz alta".


Assim que publiquei arrependi-me. Ai meu Deus que ainda alguém descobre quem eu sou. Ai que nem sequer contei à minha mãe e espetei com a notícia na net, o que fui eu fazer? Apagar estava fora de questão. Então pensei que o melhor seria esperar mais uns tempos para voltar a falar sobre o assunto. Talvez não até às 12 semanas, uma eternidade, mas até aquela ecografia quase no fim das nove, aí já estaria mais segura.

O tempo foi passando, e eu fui sossegando. Escrevia posts que guardava em rascunhos, para mais tarde partilhar. Estava tudo a correr tão bem, porque haveria de falhar agora tão perto dessa meta que é o primeiro trimestre? Aos pouquinhos, fomos contando às pessoas mais próximas, porque afinal, se corresse mal não iríamos querer o apoio delas?

As nove semanas chegaram, e estava tudo pacífico. Melhor que pacífico aliás, imagine-se que até os enjoos me deram descanso. O peito não me doía tanto. Até já tinha conseguido voltar a dormir uma noite inteira, que maravilha! Havia uma vozinha cá dentro que me dizia que não estava certo, que não era suposto ser assim. Mas ao mesmo tempo muitas vozes cá fora diziam que não, que isso é stress de mãe de primeira viagem... e o que sei eu, na verdade? Nove semanas quase no fim, e a tão esperada ecografia era ontem. E não foi preciso a médica dizer nada para eu perceber o que se passava. O coração não batia, o bebé não mexia. Soube no segundo em que o vi, que tinha acabado ali.

Agora não sei como reagir, oscilo entre a apatia e a depressão, e às vezes passo pela raiva e dou um pulinho ao optimismo e penso que (também) isto vai passar, e que para a próxima correrá melhor.

Uma grande amiga que há uns tempos passou pelo mesmo disse-me, nesse dia: "Não é o fim do mundo. Mas é o fim do meu bebé."
Acho que nunca tinha compreendido verdadeiramente o significado dessas duas frases. Até ontem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Cozinhei" uma massa instantânea na cafeteira do meu quarto de hotel. Comi-a à colher, numa chávena de chá. Bem boa que estava.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Yin Yang

por Mia, em 30.03.16

Os últimos meses foram verdadeiramente infernais. Não me lembro de alguma vez terem acontecido tantas coisas tão más em tão pouco tempo.

Em compensação, hoje tive a melhor notícia da minha vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por Mia, em 24.10.15

Sobre aquilo de voltar onde se foi feliz, já tenho uma resposta. Não, definitivamente não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Nem eu sabia as saudades que tinha de estar aqui, longe de casa, sem conhecer ninguém, de poder fazer o que me apetece, quando me apetece, andar a pé, observar pesoas sem ter que socializar... Há quem faça retiros espirituais, eu venho passar uns dias à capital.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Suspeito que o meu homem me espanca durante a noite. É a única explicação plausível que encontro para andar constantemente com nódoas negras e não fazer ideia de como foram lá parar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E quando um dos vossos melhores amigos vos dá a sua opinião sobre a nova aquisição do vosso ex, referindo-se a ela como "um avião", "meu deus que puta de gaja boa", "todos os gajos ficaram a babar" e afins? E depois ao ver-vos deprimidas remata com "tu também não és feia, não fiques assim."?

 

Não. És. Feia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por Mia, em 02.09.15

Não, não há data. Não há nada em concreto. Não andamos a ver quintas, não vamos a expo-casamentos, não fazemos sequer ideia em que ano será.

Sim, é uma bandalheira. Não se apoquentem, que eu também não.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Oh, não gostaste do que escrevi?