Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não quero ter mais filhos

por Mia, em 22.03.19
Agora.
 
Tinha a coisa tão bem planeadinha: de 2 em 2 anos por mais uma criaturinha no mundo até ter uns 3 ou 4 e formar assim uma bela família.
 
Mas depois fui mãe.
 
Não sei se por ter acalmado o relógio biológico, por ter ainda uma criança tão nova para cuidar, por não conseguir entender a logística que dois bebés de idades diferentes em simultâneo envolvem. O meu homem diz que sim, que tínhamos já o segundo. Mas eu acho que não. E como nestas coisas um bocadinho de incerteza já é muita incerteza, vamos aguardar.
 
Que venham os dois anos do monstrinho, o casamento, o novo ano, e a vontade de voltar a procriar. Tenho saudades do bebé pequenino que o meu filho foi, mas confesso que não tenho saudades da ideia de um bebé. Não que o meu tenha sido dificil - de todo - mas talvez até por sentir que ao ter outro estou a "roubar" algo a este, não sei.
 
Sei que quero ter mais filhos, sinto já a pressão social das pessoas que vão murmurando para o pequeno "tens que pedir um irmão aos teus pais", mas não sinto que seja o momento. E não há nada de errado em mudar de ideias. Não deixo, contudo, de achar piada a estes twists da vida, a como num momento temos tantas certezas e no momento a seguir começamos até a considerar hipóteses nunca antes concebidas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

... mas o tema do 2º aniversário do monstrinho já está escolhido. Deslarguem-me, sou pessoa de planear com antecedência. E por isso este ano teremos festa com....

 

 

"Mimi" e "Piqui"!

2019-03-20_12h50_09.png

 

Um dia falo-vos da paixão louca que ele tem por estes dois...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Monstrinho tem 19 meses e energia para dar e vender. Não anda - corre. É o menino mais novo da sala dele, e como tal o mais bebé. É irrequieto e tem dificuldade em manter-se numa só actividade por muito tempo. Apesar disso, entretém-se bem sozinho, consegue concentrar-se no que está a fazer - se quiser - e é uma criança com regras.

 

 

Em reunião com a educadora, ouvi algumas queixas. Que acorda e vai saltar para cima dos outros meninos até os acordar. Que não consegue participar nas actividades de grande grupo porque se levanta e vai à vida dele. Que os outros meninos vão atrás (sou só eu que leio aqui "líder nato"???). Que perturba a turma. Que "não lhe vamos por rótulos, mas sugeria um acompanhamento por parte da psicóloga do colégio".

 

 

Ok. Ouvi, ponderei, achei que não tínhamos nada a perder. Se acho que ele precisa? Sinceramente, não. Acho que é só uma criança a ser criança. E as crianças não ficam quietas, querem correr, saltar, brincar. Acho normal um miúdo não ser um boneco e ter vontades próprias. É claro que nenhum pai minimamente consciente gosta que o seu filho perturbe a aprendizagem das outras crianças, mas não creio que seja o fim do mundo, e acho até que isto tem muito a ver com o facto de ele ser o mais novinho e não ter alcançado ainda as mesmas capacidades de concentração dos outros meninos. Mas o que temos a perder? Debatemos o assunto em casa e concluímos que se o colégio oferece esse serviço, e se pudermos de alguma forma ajudar a criança, vamos a isso - ainda que pouco convictos.

 

 

Mas quando partilhei esta questão com algumas pessoas próximas, obtive toda uma variedade de indignações. Que agora as crianças são todas hiperactivas. Que me iam por o miúdo a tomar medicação. Que as educadoras eram parvas e não sabiam cuidar dele em condições e a culpa era delas. Que os pais de hoje em dia levam os filhos ao psicólogo por tudo e por nada. Toda uma histeria. Eu é que sou a mãe, eu é que tinha o direito de ficar ofendida por sugerirem que a minha cria poderia ter uma qualquer falha, e acabei por ter que ser eu a racionalizar e acalmar os ânimos.

 

 

E vocês, o que fariam? Ficariam indignados, ou considerariam a hipótese de consultar um profissional?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olha para mim, enche a boca e diz:

'inha mamã!

Autoria e outros dados (tags, etc)

18 meses depois: o bebé

por Mia, em 04.02.19

1 ano e meio, para os não-pais e/ou pessoas como eu, que depois dos 12 meses têm uma incapacidade tremenda em contabilizar a idade de um pequeno ser em meses.
Pequeno monstrinho brinda-nos diariamente com novas aprendizagens e é delicioso de ver. A seu tempo, vai aprendendo novas palavras: mamã/má, papá/pá, pápa, cáu (cão), gacum (gato), pato, oá (olá), pé, cacaco (casaco), páu (pão), ná/nein (não), ti (sim).

O uso que faz da palavra "não" é hilariante:

- monstrinho, queres água?
-, diz, enquanto estica os bracinhos para o copo e abre a boca.

Chama por nós, numa vozinha esganiçada que me desmancha sempre. Aponta para o que quer. Se é pão, vai para junto da caixa do pão. Se é água vai para o sítio onde guardamos as garrafas. Se quer uma bolacha fica aos saltinhos ao pé do pote a apontar.
A pedido, faz o som do cão, do gato, do pato, do leão. Aponta onde ficam os olhos, o nariz, a cabeça, a língua, o 'bigo', a barriga, o pé, etc. Começa a saber distinguir o que pertence a quem: o telemóvel "é papá" (é do papá) e a meia "é pé" (é do pé), etc. etc.

 

Teve toneladas de brinquedos no natal, mas o seu coração pertence a um Mickey de peluche que uma prima lhe ofereceu nos meus anos e vai com ele a todo o lado. A pedido, dá abracinho ao mickey, faz miminhos, e aponta os olhos, o nariz, a boca, etc.


Brinca cada vez mais. No natal teve loucinha e agora "faz" a sua sopa, e depois enfia-nos a colherzita pela goela abaixo. Tem uma paixão assolapada por vassouras, que nós incentivamos na esperança que um dia possamos prescindir da empregada.


Dá os abraços mais fofos, faz miminho, dá beijinho a pedido e brinda-nos com gargalhadas tão genuínas que conquistam toda a gente. Sorri para o mundo com aquela inocência de quem nunca foi magoado, e o mundo sorri-lhe de volta - quem resiste aquele sorriso malandro e desdentado? E por falar em desdentado, dez dentolas já cá cantam, a custo e com muitas noites mal dormidas, numa fase que pareceu interminável mas já passou.

Continua a estar muito bem sozinho e a interagir cada vez mais com os outros. Está super fã do baby shark, cuja coreografia faz de forma desajeitada e trapalhona. Come sozinho. Dorme sozinho. Anda bem, tenta correr, e se cai volta a levantar-se e segue caminho. Não tem medo de nada, o meu menino corajoso. Tanto se chega ao gato como à cadela, que do alto dos seus 25kg é de uma meiguice extrema para com ele.

É um bebé de sonho, não teria saído melhor se fosse encomendado. Temos tanta sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mamã

por Mia, em 28.01.19

Enquanto cozinho, agarra-se-me às pernas:

 

- Mamã. Mamããããããããã. Mamá! Ma-má. Maaaamããããããã!  Mááááá´! Mamã! Mamã mamã mamã mamã!

...

...

...

 

Ainda estou na fase em que acho isto adorável, mas cheira-me que não tarda vai começar a ficar irritantezinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Devia ser caso de polícia os miúdos que todos os dias são os últimos a sair do jardim de infância".

https://ionline.sapo.pt/637751

 

Se há coisa que me mexe com o sistema nervoso, são pessoas que sabem como viver a vida dos outros. Já a revirar os olhos, entro no artigo. Dou de caras logo com outra pérola: "Costumo dizer que devia ser proibido os jardins de infância estarem abertos depois das cinco."

 

Eu não sei onde é que este senhor trabalha, mas se houver lá um lugarzinho para mim, mando já o meu cv. Adoro este tipo de afirmações fundamentalistas. Adoro. Tanto como espetar garfos nos olhos. Ou comer baratas. Ou ser acordada com água fria pela cabeça abaixo. Ou… vocês percebem a ideia.

 

Vamos então analisar a situação. Uma pessoa - eu, e provavelmente vocês - tem que trabalhar 8h por dia, das 9h as 18h. Faço parte daquelas privilegiadas que consegue demorar 10 minutos do trabalho à creche, e por isso apanho o meu filho às 18h15, o mais tardar. E invariavelmente estão poucas crianças lá a essa hora. Já chegou a estar só ele e mais uma menina. Se gosto? Pois com certeza que não. Se podia evitar? Dificilmente.

 

Trabalhando 8h, a única alternativa seria fazer o horário das 8h às 17h, no entanto não só isso exigiria uma autorização da entidade patronal que provavelmente não conseguiria, como implicaria deixar o miúdo na creche às 7h45 da manhã, ou seja, dava-lhe mais uma hora comigo ao fim do dia, mas tirava-lhe uma hora de sono. Para não falar que, entrando a essa hora, passaria mais tempo sem comer de manhã, teria que se deitar mais cedo à noite (acabando por cortar na mesma a tal hora ao tempo em família), e provavelmente andaríamos todos mais cansados. Valeria a pena? A meu ver não. Vale a pena chamarem a polícia porque vou buscar o meu filho às 18h15? Eh pá ganhem juízo.

 

O colégio do meu filho fecha às 19h. Claro que é tarde. Claro que o ideal era os putos saírem às 16h. Ou 17h. Mas é caso de polícia? Não me lixem. Já agora, se as creches fechassem às 17h, como é que uma pessoa, mesmo que saísse às 17h, conseguia estar lá a tempo?

 

Mas Mia, achas bem que o teu filho passe tanto tempo na creche? Não. Obvio que não. Tanto não acho que mudei para um emprego com remuneração (bem) mais baixa para poder ter mais uma hora diária com ele. Mas tenho alternativa a trabalhar 8h por dia? Não tenho. Como não tem o comum mortal. Algumas pessoas podem partilhar as tarefas de ir levar e buscar os miúdos com outros membros da família (pai, avós, tios). Não é o meu caso. Chamem a CPCJ já!

 

É tão fácil olhar para os outros pais do alto da sua vida privilegiada e mandar postas de pescada enquanto se aponta o dedo, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por favor digam-me que sim.

 

Quando levo e vou buscar o monstrinho ao colégio, tenho por hábito ficar por lá um pouco. De manhã visto-lhe a bata, digo que o adoro, desejo um bom dia e espero que ele me acene e vá brincar. Dou-lhe tempo para se despedir ao seu ritmo. Ao final do dia dou sempre dois dedos de conversa com a educadora/auxiliar de serviço, deixo que ele me mostre os brinquedos favoritos do dia, meto-me com os outros miúdos. As meninas vêm sempre ver-me as roupas, a manicure, os acessórios. Os meninos perguntam-me o nome, mostram-me as suas habilidades. Isto faz com que acabe por saber o nome de praticamente todas as crianças, não só da sala do meu filho como das outras duas.

 

Há dias, ao final do dia, despediamo-nos dos meninos que lá estavam:
- Adeus Matilde! Até amanhã Martim! Porta-te bem Aninha!

 

Passo por uma mãe que vestia o casaco à filha, aceno-lhe e digo: xau Joaninha, até amanhã!

 

Ao que a mãe me responde, com ar encabulado:
- Eu não sei o nome de ninguém….

- É normal, eles são tantos - digo, enquanto penso: e eu sou melhor do que tu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Varicela

por Mia, em 22.01.19

Adoro, super recomendo. 

#not.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

Ti! Ti! Ti!

por Mia, em 12.11.18

Pequeno monstrinho não fala. Diz meia dúzia de palavras, mas é basicamente isso. Mas desengane-se quem pensa que não se faz entender. Agora ganhou esta mania: quando quer algo aponta e diz: "ti! ti! ti!". Ninguém sabe o que significa ou de onde veio esta expressão. Perguntei no colégio e nenhuma das educadoras ou auxiliares me soube explicar, mas a cara que ele faz, o bracinho esticado e até o próprio tom são das coisas mais cómicas que já ouvi.

Autoria e outros dados (tags, etc)

15 meses

por Mia, em 08.11.18
Entrou pelo próprio pé consultório adentro, com o boletim de saúde na mão, e foi logo brindado com um "eh lá, grandes progressos". Meu pequeno homenzinho. Foi virado e revirado, deixou que lhe vissem os ouvidos e a garganta, estranhou o frio do estetoscópio quando foi auscultado mas nem por isso se queixou. Foi pesado sentado pela primeira vez, muito quietinho como a mamã pediu para ficar. O doutor deu-lhe um daqueles pauzinhos de ver a garganta para brincar, e tivemos entertenimento até ao dia seguinte. Tudo como se quer, 11.5kg de fofura, um desenvolvimento normal para a idade, uma criança feliz. E uma pessoa pode pedir mais do que isto?

Autoria e outros dados (tags, etc)

"piu*, dá cinco à mamã"

 

...e ele vem, a andar feito pinguim, e dá cinco. E depois estica o indicador para tocar no meu e ri-se quando eu afasto os nossos dedos e faço o barulho de uma explosão. E termina com um fist bump, como não poderia deixar de ser.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

* de piu-piu. do meu pintainho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cá por casa tudo igual, tudo diferente. Deixei o meu emprego e comecei o novo, e a adaptação, ainda que tenha custado nos primeiros dias, tem sido uma agradável surpresa. Trabalhar na minha cidade é tudo o que eu esperava que fosse: saio com 30 minutos de antecedência de casa, vou deixar o monstrinho à creche, visto-lhe a bata, dou beijinhos, "a mamã adora-te e volta logo", e vou-me embora, a pé. Chego ao trabalho 5 a 10 minutos antes da hora. Ao fim do dia, o percurso inverso, desço a rua e em 6 minutos estou a abraçar o meu pequeno. E não há nada que pague isso. 

 

Para ele, a mudança foi um pouco mais difícil. Estive com redução de horário até sair da empresa antiga, e ainda que trabalhasse a uma hora de distância, no máximo às 17h ele estava a sair. Passar a sair uma hora mais tarde foi doloroso. No primeiro dia cheguei e já só estava ele e outra menina, e o meu coração de mãe partiu-se em mil pedacinhos. Questionei todas as decisões que tinha tomado, mas depressa concluí que se tivesse continuado onde estava, e terminada a amamentação, passaria a ir buscá-lo ainda mais tarde (nunca antes das 19h30), por isso vamos ter que nos adaptar. Todos. Tivemos choro de manhã, birras de cansaço ao final do dia, mas aos poucos a coisa vai estabilizando.

 

E falando em monstrinho, as coisas que esta criança aprende de dia para dia? Não vos vou contar grandes feitos, não direi que é um prodígio ou sequer avançado para a idade no que quer que seja. É um miúdo normal, cada vez menos bebé e mais menino, e eu saboreio cada pequena conquista. Começou a andar (e mais recentemente a correr) e agora o mundo é dele. É curioso, astuto, aprende rápido. É meigo e carinhoso, tira comida da boca dele para nos dar se pedirmos, faz miminho, sorri e dá abraços com fartura. Mas também tem mau feitio: aprendeu a birra e agora atira-se para trás quando é contrariado, chora, deita-se no chão. Não damos importância para que não veja isso como 'arma' para conseguir o que quer. Come bem, dorme bem (ultimamente nem tanto, ora são dentes, ora gastro, ora constipação, uma ramboia), não dá chatices. É um bom menino.

 

Começamos a preparação para o casamento e já estou exausta. Amanhã faço a primeira incursão no mundo dos vestidos de noiva, logo vos conto como correu, mas vou com expectativas baixinhas baixinhas. Já as quintas são toda uma outra epopeia. Só queríamos um espaço amplo, mesas de madeira corridas e cadeiras simples, já agora a preço de gente. Aparentemente é pedir demais, e ainda não vimos nada que fugisse ao clássico: mesas de vidro, poltronas, veludo, pérolas, cristais, véus a cair do tecto, dragões a cuspir fogo... esta última pode ser exagero mas vocês perceberam a ideia. Passamos dois dias a ver quintas e quase desisti de casar. Não há de ser nada.

 

Na correria da vida, o blog passou para 76352º plano. Adorava vir cá com mais frequência, faz-me falta escrever e ler-vos (ainda está por aí alguém?), mas o tempo voa, uma pessoa escreve posts mentalmente enquanto está no duche ou antes de adormecer, mas depois nunca os passa para o papel (salvo seja), outros blogs são lidos de fugida nas salas de espera de consultórios ou em tempos mortos - que são cada vez menos - passam-se dias, semanas, meses e pronto. A ver se consigo vir cá mais vezes. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu sei, eu sei, queremos todas ser bio, saudáveis, gluten-free, sugar-free e o diabo a sete. Idealmente as nossas crianças comeriam papas de aveia caseiras, feitas com leite vegetal biológico, ao som de uma harpa tocada pelas nossas próprias mãozinhas. Jamais tocariam em alimentos processados, córror, cheios de químicos, corantes, conservantes, açúcar e seus derivados.

Mas depois a realidade toma conta e volta e meia uma pessoa atira-lhes com um puré de fruta de compra, ou deixa-os lambuzar-se com uma bolacha Maria. É a vida.

 

Idealmente, claro que optaria sempre pelo mais saudável para o meu filho. Continuo a manter aquela ideia de não o deixar comer açúcares (bolos, chocolates, rebuçados, chupas, refrigerantes) o máximo de tempo possível. Mas o que se dá à criança quando estamos fora de casa e não há condições de, por exemplo, lhe fazer uma papa? Que snacks levar no saco para a eventualidade de um ataque de fome, e que alternativas existem ao puré de fruta?

 

Untitled.png

Estes* são o que uso com o monstrinho. Alguns não têm açúcar, outros são biológicos. Uns mais saudáveis, outros menos. Acabam por ser frequentemente as nossas opções.

E desse lado, como alimentam as crias fora de casa? Contem-me tudo o que sabem!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

* Cerelac compro no Continente. Baby puffs nas lojas Celeiro. Bolachinhas de espelta lupilu compram-se no lidl.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nunca pensei que fosse desta forma.

Sempre tive medo de morrer, desde que me lembro. Mas era um medo mais focado na dor de morrer propriamente dita, nunca no mundo que deixaria para trás. Mas agora este pensamento não me larga. Talvez a esse tal aumento de consciência se tenha juntado a morte de um familiar e doença oncológica grave de outro, nos últimos meses, e essa mistura tenha provocado aqui qualquer coisa em mim. A verdade é que não há dia que não pense na minha morte antes do tempo. Em tudo o que iria perder. Em como o mundo continuaria sem mim. Quem cuidaria do meu filho? Sim, ele tem pai, mas mãe é mãe. Será que alguém trataria dele como eu faço? Como seria para ele viver sem mãe desde tão novo? Não penses assim, penso. Esquece isso. Não se passa nada. Pois. Mas como tiro esta angústia aqui do meu peito?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A festa do ano - parte 3

por Mia, em 14.08.18

Então e a festa propriamente dita?

Já vos contei aqui que pouco antes da festa começar, estava em pleno ataque de ansiedade. Pedi reforços, e chegaram num instante: padrinhos, primos, avós, amigos. De repente a casa encheu e eu só via pessoas a passar com comida, a encher balões, a preparar pratos, sei lá o que mais. Tirei uns minutos para ir tomar um duche e preparar-me para a festa. Nada de muito fancy, queríamos uma coisa descontraída e foi isso mesmo que aconteceu.

 

Tinha comprado t-shirts matchy-matchy para nós (body para o menino):

Capture.PNG

Calção, chinelo de dedo, cabelo molhado e sem maquilhagem. Mais relaxado do que isto impossível.

 

As pessoas foram chegando e vinham no mesmo espírito: fato de banho, calções, pé na relva, boa disposição. E apesar do calor que não deu tréguas (dia mais quente do século, não sei se já disse), esteve-se bem. Acima de tudo porque estavam quase todos cá: a família e os amigos chegados.

 

O pessoal foi dando uns mergulhos ao longo do dia, havia música, havia comida, havia bebida. A meio pus a piscina de bebé com água e o monstrinho ainda deu uns mergulhos e acabou por cantar os parabéns só de fralda.

 

Os parabéns foram inesquecíveis. Parecia que entendia o que se estava a passar, gargalhou e bateu palminhas, uma delícia, já passou mais de uma semana e ainda tenho pessoas a comentar o quão bem disposto ele estava. De resto, aguentou-se como um herói: apesar de ter acordado da sesta às 16h, ficou na festa até depois das 22h, sempre bem disposto, sempre de colo em colo, sempre sorridente.

 

Depois de cortar o bolo sentamo-nos no chão, entre os convidados, a abrir os presentes. Uma chuva de prendas todas tão atenciosas, algumas verdadeiramente originais e que demonstravam grande esforço criativo. Que sorte tem este meu filho.

 

Para terminar, e à boa maneira nortenha: caldo verde e bifanas, acompanhados de mais uns quantos mergulhos, numa festa que durou até bem perto das 2h da madrugada.

 

Não foi tudo perfeito, não correu tudo exactamente como idealizei. Fiz bolo de anos (2 andares, 5 camadas cada!), segundo bolo, gelatinas, bolachas decoradas, cupcakes. Tratei de compras, decoração, organização, preparação de comida. Tudo com um bebé pequeno, um pico de trabalho que me obrigou a horas extra todos os dias da semana, uma formação dificílima em curso e hóspedes em casa. Vendo bem as coisas, como não fritar da cabeça?! Houve alguns momentos de sufoco (não parei até ele ir dormir), alguns stresses, não consegui dar a devida atenção a toda a gente, mas no final foi um dia muito feliz e eu só posso desejar que se repita por muitos e muitos anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A festa do ano - parte 2

por Mia, em 13.08.18

A decoração foi pensada meses antes. Queria qualquer coisa simples, dentro do tema, e deitei mãos à obra. Planeei cinco mesas:

 

As mesas da comida

Duas mesas compridas com doces e salgados. Toalhas coloridas (verde, laranja e amarelo), pratos descartáveis nas cores o arco-íris  com a comida (no fim foi só deitar tudo ao lixo, e festa arrumada), nuvens, arco-íris e estrelas espalhadas pelas mesas para decoração (muitas noites a recortar bonecada).

 

A mesa das crianças

Uma mesa literalmente à altura delas, com snacks saudáveis: sumo de laranja natural, garrafinhas de água (fiz rótulos a condizer com o tema), snacks bio para bebés, fruta em polpa, gelatina sem açúcar, geladinhos caseiros de banana e leite de côco. Monstrinho adorou tudo, e ainda se afiambrou aos restos no dia seguinte.

Untitled.png

A mesa do bolo

A ideia que tinha era muito clara: qualquer coisa como isto:

IMG_9938.JPG

Para as nuvens usei k-line branco. As grinaldas de estrelas comprei já feitas, em cinza e branco, no AliExpress. Desisti da ideia das fotos porque achei muito pesado, e transferi-as para a mesa de suporte. Por aqui, simplifiquei: só mesmo  nuvens e estrelas suspensas como pano de fundo. Toalha azul, e aqueles snacks mais bonitos espalhados pela mesa: os bolos, pacotinhos de pipocas que comprei em azul e rosa e decorei com autocolantes que fiz iguais ao resto do tema, gelatinas e mousses em copinhos transparentes com colheres coloridas, bolachinhas decoradas em forma de nuvem e estrela, cupcakes (também comprei e decorei formas, à semelhança das pipocas), gomas e marshmallows, uma moldura com um 1 impresso no tema da festa, cake pops que desmaiaram com o calor e viraram brigadeiros e cartões, porque me apeteceu. De cada lado, dois ramalhetes de balões-estrela em azul e branco.

Untitled.png

A mesa de suporte

Não odeiam quando estão numa festa e querem um prato/colher/copo/guardanapo e têm que andar a pedir licença a todos os que estão à volta da mesa para lá chegar? Não? Sou só eu? Bem, eu não gosto disso. Ou quando há uma mesa de apoio mas está enfiada num canto inacessível, ainda há dias estive numa festa assim: a mesa de suporte estava num canto só acessível por um espaço mínimo que estava sempre ocupado por ser zona de passagem. Vai daí, decidi fazer uma mesa de suporte só para essas coisas. Toalha rosa (a cor que faltava), e como decoração umas molduras de papel em tom de cartão e branco penduradas num cordel, com fotografias dos 12 meses atrás da mesa. Em cima da mesa a caixa de luz com uma mensagem de parabéns que pedi aos padrinhos para escrever (dizia: monstrinho, és o maior <3), pratos e copos descartáveis. Usei frascos de vidro para colocar talheres e palhinhas (de papel, coloridas, AliExpress), cada frasco tinha um lacinho numa das cores do arco-íris. Mais uns quantos balões com estrelinhas a flutuar atrás da mesa (comprei uma pequena botija de hélio no toys'r'us), guardanapos coloridos, garrafinhas de água com rótulos a condizer e dois potes de torneira: um com sumo de laranja e outro com sangria. Um dos potes tinha base em metal, o outro empilhei em círculos de tronco. O resto das bebidas, dado o calor infernal, optamos por colocar no chão em baldes (das vindimas) cheios de gelo.

 

Untitled.png

 

Outros aspectos de decoração:

- Uma mesa baixinha semelhante à das crianças entre duas poltronas de jardim, que continha: um frasco com canetas (com o devido lacinho), cartões vazios, e uma caixa com estrelinhas. E um cartãozinho onde pedia às pessoas que escrevessem uma dedicatória para o monstrinho ler quando fosse crescido, e guardassem na tal caixinha. Fez tanto sucesso que os cartões não chegaram! Tinha também um letterboard com mensagem de parabéns.

 

- Mantas, pufes e almofadões espalhados por todo o lado, assim como caixas com brinquedos para os mais pequenos. Tinha comprado bolinhas de sabão mas esqueci-me. E tinha inicialmente pensado por o teepee dele no jardim, mas no dia optei por não o fazer.

 

- Dentro de casa, no tecto da sala (para onde fugiram os mais velhos por causa do ar condicionado) pairavam balões coloridos com o número 1.

 20712.jpg

 - À chegada tínhamos também balões coloridos com estrelas que formavam a alcunha do miúdo, e o número 1.

 

- Preparei mais uma pequena mesa para se tirarem fotografias. Comprei acessórios em papel (óculos, bigodes, chapéus) e fiz alguns específicos para o aniversário: o número 1, uma estrelinha com o hastag que criei para o dia, mensagens de parabéns, etc. Tinha feito também uma moldura gigante em k-line, mas parte da decoração da moldura incluía um conjunto de balões em forma de arco-íris que não se aguentou com o calor, por isso foi posta de parte.

 

5f60a1_8d74d69a99ac41948b44ad242f586bd8~mv2.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1. A taça que não entorna. Já a tinha visto noutros sites com preços a partir dos 10€, mas pareceu-me demasiado por uma brincadeira que nem tinha a certeza que funcionasse. Encontrei-a no AliExpress por cerca de 2,5€ e mandei vir. Chegou mesmo na altura certa, na fase em que o monstrinho começou a comer sólidos após a sopa e virava frequentemente o prato. E funciona na perfeição. Sabem aqueles segundinhos em que a criança levanta o prato no ar e nós sustemos a respiração já a imaginar grãos de arroz por todo o lado? Esqueçam.

1.PNG

2. O prato que cola à mesa. Via todas as influencers da moda com isto, fui em busca de um igual (sou presa fácil). Encontrei na wells ao preço quase de um rim. Um absurdo, o mais pequenino de todos, que não servia para nada, custava mais de 20€! Nem pensar nisso. Mandei vir então este, e estou bastante contente de ter gasto só 6€ nele. Até cola bem à mesa, o plástico parece ser de boa qualidade, vai à máquina e micro-ondas, MAS. Monstrinho levou sensivelmente 30 segundos a descobrir como descolar da mesa. É a vida. Ainda assim da-nos bastante jeito e usamos todos os dias.

2.PNG

3. Peluches que chiam. Pessoa que entre em minha casa, muito provavelmente encontrará a criança com um destes na mão. Assim que começou a brincar, foram os primeiros que lhe chamaram a atenção, e num instante aprendeu a apertá-los para os fazer chiar. Muito bom para treinar o movimento de apertar e aprender acção-consequência. Anda sempre com eles para todo o lado, até mesmo quando vai a gatinhar leva um em cada mão. Ponto negativo: não têm a melhor qualidade do mundo. Um deles foi logo para o lixo após a lavagem inicial porque meteu água para o plástico interior e não quis arriscar a acumulação de fungos. Outro ponto negativo: chiam

3.PNG

4. Colheres de silicone. As primeiras que compramos para o monstrinho eram do continente. Deu para os primeiros tempos mas para além de caras, eram muito instáveis - era frequente perguntarem-me se estava a tremer - e rapidamente se tornaram demasiado pequenas. Li sobre estas no blog da Maçã e encomendei uma para experimentar. E depois encomendei as outras todas. Nesta altura já não usamos, passamos para as de plástico do IKEA, mas durante largos meses não se ousava sequer pegar numa colher diferente cá em casa. E já viram como são giras?!

4.PNG

5. Rede para os brinquedos de banho. Não sei quanto a vocês, mas ver brinquedos espalhados é coisa para me esfrangalhar os nervos. E onde arrumar os  brinquedos de banho de forma a que sequem convenientemente? Encomendei esta rede a medo. Decidi esbanjar até e comprei a maior. Sejamos realistas: é uma rede de cêntimos, não esperem maravilhas. A nossa ao fim de alguns meses começou a descoser na lateral, mas ainda assim saiu melhor do que a encomenda. As ventosas, não sendo fracas, não aguentam o peso de tantos brinquedos. Usamos a rede pousada na lateral da banheira, e cumpre lindamente o seu propósito.

5.PNG

 6. Cantos para as esquinas dos móveis. Esqueçam as mãozinhas do IKEA que toda a gente tem. Estes são mais baratos, e têm um pormenor que muda tudo: são de espuma macia. É claro que protegi os cantos e o miúdo foi enfiar a testa na perna de uma mesa, mas hey, os cantos estão seguros. Ah, para quem tem gatos... boa sorte. Os bichos a-do-ram afiar as unhacas ali naquela espuminha boa...

6.PNG

7. Mochila para as fraldas. Já vos falei aqui dos nossos sacos das fraldas: aquele fofo da Zara Home e o da Bioderma, aos quais veio fazer companhia um da Wells que nos ofereceram quando o miúdo nasceu. Tudo muito bonito, até o monstrinho deixar o ovo. Aos 9 meses, acabou-se o ovo para o menino. Choramingava sempre, transpirava por todo o lado, e ficou insustentável. Moral da história, a criança vai muitas mais vezes ao colo. E tornou-se imperativo arranjar uma solução de mala mais amiga da coluna. Vi esta mochila num instagram de maternidade e pareceu-me uma boa ideia. E se é. Primeiro, é gira. Fica bem tanto ao menino como à menina, por isso o pai leva-a e fica cheio de pinta (pelo menos eu digo-lhe que sim). Tem mil bolsinhos, incluindo um térmico (quem nunca andou com o saco + a lancheira atrás?). Outras vantagens: tem um bolso junto às costas que é seguro para colocar porta moedas e telemóvel, prende-se a qualquer tipo de carrinho, e tem muito mais espaço do que parece. Ah, e o preço? Perto de 20€ (há modelos mais baratos), praticamente oferecida.

7.PNG

8. Decalque para mão/pé de bebé sem tinta. Queria fazer a impressão da mão do miúdo, mas não lhe queria pintar as mãos. A solução? Cá está ela!

12.PNG

9. Coisinha para tirar o shampô. Sabem quando uma pessoa lava a cabeça ao bebé e depois anda ali a atirar água em conchinha com as mãos para o limpar? Este brinquedinho resolve esse problema. Não é muito bonito, mas oh se é prático!

8.PNG

10. Brinquedo de dentição. Quem tem putos conhece bem o flagelo dos dentes. Este bonequito, além de ser fofo que dói, é molinho e tem ranhuras que os ajudam a coçar as gengivas. E já disse que é fofo??

10.PNG

 11. Boné com orelhas. Quem precisa de motivos para comprar um boné com orelhas?!

9.PNG

 12. Espelho para o carro. Saindo do ovo, pequeno monstrinho passou com a sua cadeira de menino crescido para o banco de trás. Tudo muito giro, mas como se faz para ver o miúdo que vai no sentido oposto à marcha? Simples, coloca-se um espelho no banco e vê-se pelo retrovisor. Inicialmente tínhamos a expectativa de transportar a criança apenas num carro. Comprei um espelho numa loja, não foi propriamente barato, e resolvi comprar depois este no AliExpress para desenrascar se fosse preciso usar o segundo carro. Mas que boa compra. Para começar, chegou devidamente embalado, inteiro e sem riscos. Depois, não fica nada atrás do outro que custou 5 vezes mais. Afinal acabamos por usar os dois carros com frequência, e não sinto falta nenhuma de um espelho melhor.

11.PNG

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ir à praia com um bebé

por Mia, em 11.08.18

Contem-me tudo o que sabem sobre esse assunto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:54

A festa do ano - parte 1

por Mia, em 10.08.18

Monstrinho fez um ano no dia 4 de Agosto, e nós planeamos uma festinha no jardim. É claro que esse foi o momento em que os astros se alinharam para proporcionar o dia mais quente do séc.XXI. Adorável.

 

Entre os meus ataques de ansiedade e um bafo descomunal que só se aguentava debaixo do ar condicionado, acabou por correr tudo bem. A festa, essa comecei a prepará-la ainda durante a licença de maternidade alargada.

 

Nunca fiz questão de fazer um festão. Mas dá-se o caso de ambos termos família próxima muito extensa, e era impossível cortar pessoas da comemoração. As alternativas eram: faz-se festa para 80 pessoas, ou não se faz nada. E embarcamos nessa loucura aventura.

 

Comecei em Março a encomendar coisas do ali express. O tema, esse foi escolhido logo: nuvens e arco íris. Essencialmente por três motivos: porque é provavelmente o único aniversário dele em que sou eu que escolho o tema; por causa de todo o simbolismo do arco-íris; porque quero e posso.

 

Queria ser eu a fazer tudo - e acho que foi o que em parte me tramou.

 

O bolo:

Tenho algum domínio na cena da pasta de açúcar, mas queria um bolo ligeiramente diferente. Vasculhei a net em busca de bolos arci-íris e esta foi a minha inspiração:

9.jpg

Mais difícil do que parece. Vi tutoriais, fiz três bolos de teste. Red velvet com cobertura de mascarpone, o bolo da moda que me pareceu ideal para uma tarde de verão. Acertei com a receita na primeira, com a consistência no segundo teste, mas a estética estava-me a matar. Entre o 2º e o 3º ensaios pensei desistir. Tentei contratar quem me fizesse o bolo, mas estavam todos ocupados para a data. Mais tutoriais, introduzi o conceito de aros de corte, e a coisa deu-se. No dia, acho que apenas duas coisas correram mal. Três, vá. Primeiro, experimentei uma marca de corante nova e as cores saíram mais desmaiadas do que esperava. Depois não nivelei as camadas. Como o bolo tinha dois andares, a altura do andar de cima ficou maior do que gostaria. por último, planeei canudos internos no andar de baixo para impedir o bolo de afundar, mas não para cima. Com o peso e calor, o bolo começou a pender para o lado, mas nada de crítico. Estava bom e foi feito com carinho, não é o que mais importa? Em cima levou jelly beans e uma velinha com um 1. Simples assim.

 

Mas não ficamos por aqui! Porque eu achei que tinha pouco o que fazer, e então fiz mais um, só porque sim, desta vez em pasta de açúcar, inspirado neste:

Capture.PNG

Inspirado, mas não igual, até porque era significativamente mais baixo. Com o calor que estava, não arrisquei por o arco-íris em pé. As nuvens tinham cara igual aos convites - sim, fiz convites - E não tinha borboletas. Sem falsas modéstias: ficou bonito, tão fofo que ninguém teve coragem de o partir.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Oh, não gostaste do que escrevi?